sábado, 1 de janeiro de 2011

- Conformismo -

Eu queria tanto que você soubesse, mais você simplesmente não escuta nada do que eu falo.
Você só consegue prestar atenção em você mesmo, nos seus sentimentos.
E eu fico aqui de alma exposta e coração sofrido por nada.
Se algum sentimento fosse explicável, mesmo assim eu não teria como explicar.
Apenas sinto essa sensação forte dentro de mim.
Mas você não sabe ver o interior de ninguém, nem mesmo o seu.
Eu consigo, só que ainda sofro ao interpretá-los.
Porque eu enxergo algo maravilhoso como eu havia enxergado em você.
Porém havia interpretado mal.
O seu verdadeiro interior é apagado, oco e sem vida.
Não quero mal algum pra você.
Também não quero o bem que você nunca me desejou.
Quero apenas que você reflita sobre o que fez de bom para alguém.
Ou o que fez de mal para o resto do mundo.
Mas sobre mim, aquela que sempre lutou para te ver feliz, não quero que reflita nada.
Não quero que pense e nem sinta nada, absolutamente nada.
Porque além de me esquecer, você também não terá nenhum motivo para ser amado.
Se bem que o amor nunca foi sua grande cartada.
E depois do que eu sentia por você se tornar descartável e completamente ínutil pra você.
Quero mais que seja feliz ao seu modo.
Sem nenhum sentimento e forjando amor próprio.

- By: Kellovers Kurrupako

Um comentário:

Jéssica disse...

Oii. Gostei do seu blog, se puder passar lá no meu:
http://xxx-memories-xxx.blogspot.com/
e segui-lo, ficarei muito feliz.

Obrigada pela atenção, Jéssica.